Português Italian English Spanish

Tenente da PM tem prisão decretada por morte de professora em acidente

Tenente da PM tem prisão decretada por morte de professora em acidente


Acidente aconteceu na noite de ontem, em Campo Grande. O PM foi preso por dirigir sob efeito de álcool

O tenente da PM (Polícia Militar) Alexander Nantes Stein, 32 anos, que matou no trânsito a professora Suellen Vilela Brasil, 32 anos, na Avenida Gury Marques, teve a prisão em flagrante convertida em preventiva pelo juiz plantonista Francisco Vieira de Andrade Neto, neste domingo (31). O acidente aconteceu na noite de ontem, em Campo Grande. Alexander foi preso por dirigir sob efeito de álcool.

Conforme o auto de prisão em flagrante, a vítima dirigia um Renault Clio Sedan prata quando ao reduzir a velocidade para passar por um quebra-molas teve a traseira do veículo atingido por um VW Gol prata conduzido por Alexander. Por causa da colisão, o Renault Clio bateu na guia do canteiro lateral direito da pista e na sequência contra uma árvore. O carro teve a lateral destruída. Suellen morreu no local. Já o Gol atravessou o canteiro central e parou no sentido contrário da via, a cerca de 120 metros do ponto de colisão.

Alexander, que não sofreu ferimentos graves, apesentava sinais de embriaguez como odor etílico, olhos vermelhos e dificuldade no equilíbrio. Devido à recusa, os policiais elaboraram um termo de constatação de alteração da capacidade psicomotora. Reclamando de dores, o policial foi socorrido para a UPA (Unidade de Pronto Atendimento) das Moreninhas, sob escolta policial. O tenente, lotado no 4º Pelotão da PM em Ribas do Rio Pardo, vai responder por homicídio na direção do veículo automotor, sob a influência de álcool.

“Ressalto, outrossim, embora haja recomendação do Conselho Nacional de Justiça acerca da máxima excepcionalidade na decretação de novas ordens de prisão preventiva, verifica-se, in casu, o fato de o crime ter sido praticado mediante violência à pessoa, de modo que infiro não ser recomendável a concessão de medidas cautelares mais brandas”, argumentou o juiz.

Por Viviane Oliveira do Campo Grande News 

 

 riopardonews@gmail.com
 (67) 99107-6961
 facebook.com/RioPardoNews
 (67) 99107-6961