Português Italian English Spanish

Sem perder rebanho, pecuária dá espaço para novas culturas em Mato Grosso do Sul

Sem perder rebanho, pecuária dá espaço para novas culturas em Mato Grosso do Sul

Lavouras e florestas ganharam 1,2 mi de hectares, enquanto pastos perderam 2 mi

 

Plantações da região leste são destaque do Censo - Foto: Gerson Oliveira / Correio do Estado

Por Correio do Estado

Mesmo sem perder seu volume de rebanho bovino, a área de pastagem para pecuária de Mato Grosso do Sul encolheu e abriu espaço para outras culturas, como as lavouras temporárias, que incluem a soja, a cana-de-açúcar e o milho, e para as florestas plantadas, principalmente de eucaliptos. De acordo com dados do Censo Agro do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), divulgados ontem, nos últimos 11 anos, as áreas de pastagens plantadas do Estado tiveram redução de 14% – saíram de 14,8 milhões de hectares em 2006 para 12,7 milhões/ha em 2017, uma perda de 2,1 milhões/ha. 

Em contrapartida, as áreas de lavouras temporárias cresceram 55% (crescimento de 1,1 milhão/ha) e chegaram a 3,3 milhões/ha de área. Além disso, as florestas plantadas, muito presentes na costa leste do Estado, próximas às fábricas de celulose e papel em Três Lagoas, tiveram aumento de 809% – saíram de 104 mil/ha em 2006 para 950 mil/ha no ano passado.

A analista-chefe da equipe de grãos da Rural Business, Tania Tozzi, explica o que motivou a migração dos pecuaristas para a agricultura, especialmente para as produções de soja e milho. O principal motivo teriam sido as condições econômicas mais favoráveis do setor de grãos. “A atividade [pecuária] foi estrangulada pela diminuição da margem de lucro e produtividade muito menor que a agrícola. Então, os pecuaristas que tiveram condições, ao longo desta última década, migraram parcial ou totalmente para a atividade de agricultura”, ressalta.

Na avaliação da especialista, a “tecnificação” chegou a tal performance, que, hoje, o Brasil empata com os Estados Unidos em produtividade e qualidade. “Isso foi possível porque os agricultores investiram em maquinário, insumos e tecnologia produtiva. Um termômetro foi a diminuição no plantio de milho 1ª safra, já que o período de verão foi utilizado para cultivo da oleaginosa e o inverno, para o cereal de 2ª safra. Em outros estados, a organização está avançada a ponto de se conseguir três safras, sem contar dois faturamentos mínimos por ciclo”, complementa.

FLORESTAS
Além do aumento expressivo de 809% nas florestas plantadas, o Estado também se destaca por ter cinco cidades no topo do ranking de maior produção de eucalipto do País, são elas: Três Lagoas, Ribas do Rio Pardo, Selvíria e Brasilândia. O município de Piraí do Sul ocupa o quarto lugar e se localiza no estado do Paraná. 

Mato Grosso do Sul também ocupa o terceiro lugar em número de pés de eucalipto existentes nos estabelecimentos agropecuários: 1,1 milhão de peças. 

De acordo com o presidente da Associação Sul-Mato-Grossense de Produtores e Consumidores de Florestas Plantadas (Reflore/MS), Moacir Reis, o desenvolvimento observado na área de florestas plantadas acontece em razão de três fatores: chegada de novas indústrias no Estado, logística e legislação ambiental.

“O segmento de florestas atende, na atualidade, a demanda de celulose, serraria e carvão vegetal e, somando os empregos diretos e indiretos, alcança o número de 100 mil pessoas colocadas. Atualmente, nosso estado é o segundo produtor nacional de área plantada de eucalipto e perde somente para o estado de Minas Gerais, posto que podemos ultrapassar nas próximas duas décadas”, observa o representante dos produtores.

Reis acrescenta que 95% da produção em florestas plantadas é utilizada a espécie de eucalipto. “A adaptação da espécie se comprovou na produtividade eficiente e na diversidade de utilização”, conclui.

REBANHO
Mesmo perdendo mais de 2 milhões de hectares em pastagens plantadas, Mato Grosso do Sul passou à frente de Goiás no ranking de rebanhos bovinos e agora ocupa a terceira posição do País, com 18,1 milhões de animais.

Além disso, o município de Corumbá continua a ter o maior rebanho bovino do Brasil, com 1,5 milhão de cabeças, seguido por Ribas do Rio Pardo (4º lugar nacional), Aquidauana (12º lugar) e Porto Murtinho (13º lugar).

 

PESQUISA CONTINUA
Para José Aparecido de Lima Albuquerque, coordenador técnico do Censo Agropecuário de MS, mesmo que o balanço divulgado ontem seja preliminar, o Estado obteve bons resultados em todos os setores, além dos grandes destaques registrados nesses 11 anos. “As matas e florestas foram os destaques, porque aconteceu um aumento significativo até mesmo no plantio de eucalipto nos municípios”, disse.

Porém, o coordenador do Censo Agro afirma que alguns dados ainda serão coletados, apesar de não alterarem em grandes proporções o primeiro resultado. “Ainda vamos coletar alguns dados em municípios e setores que não foram alcançados, como parte da região do Pantanal, por exemplo, mas pretendemos finalizar tudo até setembro deste ano”, finalizou.

 riopardonews@gmail.com
 (67) 98454-6626
 facebook.com/RioPardoNews