Português Italian English Spanish

Com tudo fechado, dezenas de milhões estarão condenados à fome, escreve Gustavo Correa

Com tudo fechado, dezenas de milhões estarão condenados à fome, escreve Gustavo Correa


A marcha da insensatez continua, escreve Gustavo Correa

Deve-se pensar lockdown caso a caso. Não há como sustentar nossos pobres

Por mais que se tente explicar e por mais que eu tenha vontade de entender, sigo ignorante na compreensão de alguns fatos históricos. Barbara Tuchman, brilhante historiadora, captou bem isso no seu livro A Marcha da Insensatez. Como aceitar, por exemplo, que o admirável povo alemão tenha seguido cegamente o fanatismo de um maníaco e levado o mundo ao caos? Sim, há explicações políticas, sociais, econômicas, psicológicas. Mas ainda assim não consigo alcançar.

Nasci em 1975. Assisti a 2 eventos disruptivos, de proporção universal, que mudaram o mundo: o fim da Cortina de Ferro e o 11 de Setembro. Agora, sem nenhuma dúvida, estamos diante do 3º. Não sei estimar se maior ou menor, mas seguramente um turning point. Assim como as quedas do muro e dos arranha-céus, estamos diante de um novo normal. Bom ou ruim, o comportamento dos líderes e o tempo dirão. A ver.

O que, contudo, não dá, é assistir calado a uma nova onda de insensatez varrer o mundo. Refiro-me ao chamado lockdown ou isolamento social.

Uma regra básica que diz muito sobre uma pessoa é quando alguém responde “eu não sei”. Infelizmente, poucos vão por essa linha. Aqui estamos diante dum momento onde a humanidade exalta suas fraquezas.

Um dia a máscara é ruim, no outro é boa. Especialistas, fomentados pelos meios de comunicação nem sempre bem-intencionados, poluem as cabeças das massas sem saber do que estão falando. Um desserviço maligno na corrida de quem dá mais furos, quem é mais sabichão. Muitos querem se mostrar e surfar na fama do caos.

Terreno fértil para o demagogo e para o ignorante comunicativo. Ou o pior deles, o ignorante demagogo comunicativo. Não me atreveria a ser contra o lockdown, como uma regra global. Não conheço o mundo inteiro. Coloco minhas fichas em soluções customizadas país a país, sociologia a sociologia, condição econômica a condição econômica. Ainda que o inimigo seja comum.

A Itália lidou de uma forma. A Coreia do Sul, de outra. Os EUA são comandados pelo demagogo mor. Ontem, não dava a mínima. Hoje, entrou em guerra. Eles, diferente de nós, têm uma máquina de guerra e uma impressora (de dinheiro) que permite o conforto de realmente entrar no bunker. E nós? Com certeza absolutíssima, não.

Aí entram de novo os demagogos. Mal-intencionados ou apenas incautos ignorantes, esperneiam a favor do isolamento total. Quem são eles? Quase sempre pessoas que têm condições de se sustentar. Conseguem ficar numa casa de vários cômodos, com Netflix, videogame, internet e iFood.

Estamos diante do maior egoísmo que já vi. Egoísmo dessa classe que, para se proteger, passa por cima de grande parte do povo. Povo sofrido, que não tem economia para suportar uma semana. Povo que está acostumado a todo tipo de desafios, inclusive muitos deles sanitários. Para salvar nossos velhinhos vale matar de fome (!!!!) o subúrbio? Para dar uma sobrevida de meses ou anos para os idosos da classe alta, que se danem aqueles que vão passar fome. A retórica responde: “É papel do governo socorrer”.

Mas calma lá, quem é o governo mesmo? Nada além de um instrumento da sociedade. A questão correta a ser posta é a seguinte: a sociedade brasileira –o governo– suporta bancar as dezenas de milhões de esfomeados trancados em casa? Claro que não. Somos um país pobre, não temos condições. A conta não fecha. É um crime exigir que essa gente se tranque. Sem dinheiro, sem condição sanitária, sem trabalho, sem sustento. É um crime hediondo nós, os financeiramente capazes, isolarmo-nos atrás das cercas elétricas de nossas casas e abandonar, para nos protegermos, grande parte da sociedade ao léu. Isso é inaceitável.

Pelo prisma dos números, uma conta me atormenta. São uma aproximação, mas dão uma noção matemática do que está ocorrendo. Pelos pacotes já anunciados mundo afora, o custo desse isolamento não será menos que US$ 10.000.000.000.000,00 (US$ 10 trilhões). No câmbio de hoje, mais de R$ 50 trilhões! De novo, sem preciosismo, se houver 500 mil mortes no mundo por conta do vírus, estamos dizendo que cada morte irá custar R$ 100 milhões!!!!

Os números do Brasil, R$ 1 trilhão de intervenção para talvez 10.000 mortos, chegam à mesma conclusão. Vida é vida. Tratar de vida com cifrão pode parecer frio, mas aqui é uma discussão de buscar o “menos pior”. Claro, o governo é feito para governar. Tem sim que ajudar. O máximo que puder. Mas, de novo, o governo é apenas um veículo da sociedade. Governo não produz. É a sociedade que trabalha, que ganha e que paga.

Não podemos impor às gerações futuras uma conta dessas. Pelo menos o Brasil seguramente não pode. Não dá conta. Não tem como.

É vergonhoso ver formadores de opinião irem a público, simultaneamente, criticar quem critica o isolamento total e exigir que o governo banque a conta. Mentira das grandes! Não há como fazer isso. Mas o politicamente correto associado ao politicamente oportunista, somado ainda aos ignorantes, tocam o bumbo e a massa de manobra vai atrás.

Nós –eu incluído– privilegiados que temos condições financeiras de ficar em casa engordando e “engodando”, não podemos seguir fazendo isso. Em detrimento do sofrimento que a sociedade como um todo no médio e longo prazo vão passar. E que as camadas mais pobres no curto e curtíssimo prazo já passam.

Onde está a dignidade ao alimentar e retroalimentar esse debate mentiroso? Escolham uma opção, mas lua e sol ao mesmo tempo não vamos ter.

A França clamou em sua revolução por liberdade, igualdade e fraternidade. Uma utopia que até hoje é reverberada por aí. Não há liberdade e igualdade. A liberdade preconiza a diferença. A igualdade, por seu turno, elimina a liberdade.

Chega de mentiras. Chega de demagogia. Chega de insensatez! Vamos encarar esse vírus de frente. Que se abra o debate sério das escolhas que temos, e que são poucas.

A minha, para não me furtar, é pela volta ao trabalho, volta à vida, com restrições. Que os grupos de risco se preservem, que se mudem rotinas, restrinjam-se eventos de aglomerações etc.

Chamem como quiserem. Isolamento vertical x isolamento horizontal, é isso? Então que se discuta, de forma séria, esse problema de geometria. Não há como, insisto, ter um ângulo reto e fazer as retas convergirem para uma solução decente. E, acima de tudo, transparente e verdadeira.

Acorda Brasil, acorda Índia, acorda Civilização!

 

Texto de Gustavo Correa ao site Poder 360 em 10 de abril de 2020

Gustavo, 44 anos, é empresário e acionista da Vetorial, empresa do setor de mineração e siderurgia.

 riopardonews@gmail.com
 (67) 99107-6961
 facebook.com/RioPardoNews
 (67) 99107-6961