Português Italian English Spanish

Marca Tucura na Saúde: acompanhantes riopardenses estão sem refeição

Marca Tucura na Saúde: acompanhantes riopardenses estão sem refeição

Em abril deste ano, o departamento de licitações anunciou quase 200 mil em ‘refeições programadas’ na Capital

Em abril deste ano, o departamento de licitações da prefeitura anunciou quase 200 mil em ‘refeições programadas’ na Capital.

Por Kleber Souza

Desde que o prefeito Paulo Tucura (MDB) assumiu a administração, a Prefeitura de Ribas do Rio Pardo (MS) suspendeu o fornecimento de refeições aos riopardenses que diariamente acompanham pacientes em tratamento de saúde na Capital.

A denúncia é antiga e os mais prejudicados são os acompanhantes com poucas condições financeiras, muitos desempregados que conseguem bancar a própria refeição fora de casa. “Não queremos muito do prefeito, só queremos a refeição que ele cortou dos acompanhantes dos crônicos renais”, protesta uma acompanhante.

Ela relata que no caso dela, são três vezes na semana. “Saímos de madrugada e retornamos só a partir das 13h sem refeição”. Felizmente, algumas pessoas conseguem ‘bancar’ a despesa, mas existem casos que necessitam da ajuda do poder público.

Outros municípios do interior de Mato Grosso do Sul que enviam pacientes à capital custeiam não só a alimentação dos pacientes, mas também dos acompanhantes que necessitam. Já houve casos em que, comovidos com a situação, acompahantes de outras cidades repartiram a refeição com os acompanhantes de Ribas do Rio Pardo.

Para atender as necessidades dos acompanhantes mais necessitados, Paulo Tucura não precisaria fazer nenhum esforço sobrenatural. Bastaria cumprir o que prometeu durante a campanha eleitoral. No plano de governo (2017/2020) consta para a gestão da Saúde dos riopardenses, ações integradas com a Assistência Social. Onde estão?

FARRA DE REFEIÇÕES PARA QUEM PODE

Em abril deste ano, o departamento de licitações da prefeitura anunciou quase 200 mil em ‘refeições programadas’, para atender as Secretarias do Município em Campo Grande (MS). Em fevereiro de 2018, a ‘farra’ dessas refeições na capital foi denunciada.

Pessoas da alta cúpula da Gestão Tucura e conhecedores do esquema, sendo ou não servidores, estando ou não a serviço, comem e bebem, às custas da Prefeitura, sem nenhuma dificuldade, enquanto isso, quem realmente precisa do mínimo respaldo do poder público, fica a ver navios e é praticamente obrigado a implorar por um prato de comida.

O QUE DIZ A SECRETÁRIA DE SAÚDE?

De acordo com a secretária municipal de saúde, Helenice Falcão, não há recursos disponíveis para custear as refeições dos acompanhantes. “Já fizemos um levantamento para o fornecimento de refeições aos acompanhantes. Infelizmente nosso Quadro de Despesas não é suficiente atualmente”.

Helenice explica que o orçamento foi aprovado só com 5% de aumento de 2018 para 2019. “Esse ano já me pediram um estudo para aumentar essa margem. Aí sim poderei ter uma maior disponibilidade para um número maior de refeições. A ressaltou que já há uma despesa alta com o atendimento de refeições dos pacientes.

“Sabemos que alguns acompanhantes não têm condições, mas se atendermos esses específicos os demais também terão direito e vão exigir”, pontuou Helenice.

Em busca de solução para o impasse, a reportagem do Rio Pardo News encaminhará o apelo dos acompanhantes ao Ministério Público. “Só isso que nós queríamos. Não seria possível ele (prefeito) fazer esse favor?”, questiona a acompanhante.

 riopardonews@gmail.com
 (67) 98454-6626
 facebook.com/RioPardoNews