Português Italian English Spanish

Meio Ambiente: o impacto da pecuária no efeito estufa

Meio Ambiente: o impacto da pecuária no efeito estufa

A alimentação do gado está muito relacionado com essa produção de gases poluentes

A alimentação do gado está muito relacionado com essa produção de gases poluentes - (Foto: Isabela Delai)

O planeta Terra há décadas vem sofrendo com o aquecimento global, resultante de uma série de  atividades humanas, como por exemplo a queima de combustíveis, fósseis e mudanças no uso da terra, como o desmatamento e várias outras fontes secundárias. A pecuária, entra nessas atividades humanas, assim contribuindo na  produção de  gases poluentes que afetam o efeito estufa. Com o crescimento da pecuária, esses gases só aumentam. Segundo dados do Ministerio da Agricultura, os números da pecuária em 2018 foram de 186,35 milhões, já este ano de 2019 teve 1% no crescimento com 192,24 milhões.

O engenheiro agrônomo e pesquisador da Embrapa Gado de Corte, Roberto Giolo, explica quais são os gases poluentes, que afetam o meio ambiente. “No sistema pecuário, temos três principais gases poluentes que são: gás carbônico (CO2), gás metano (CH4) e o óxido nitroso (N2O). Entre eles, o mais forte é o gás metano”, comenta.

O engenheiro agronomo,  detalha como o gás metano é produzido. “O gás metano é produzido a partir da fermentação do capim que o gado come,  esse processo acontece no rúmen do animal, e posteriormente esse metano é expelido pelo animal pelas vias aéreas e pela eructação. Todo ruminante é produtor de gás metano, até mesmo aqueles que são considerados como selvagens”, diz.

A alimentação do gado está muito relacionado com essa produção de gases poluentes, principalmente o gás metano. Hoje em dia existem vários aditivos que minimizam essa produção de gases poluentes, assim sendo pesquisadas e produzidas em laboratórios.

Giolo comenta quais os métodos que ajudam nessa situação. “Em grosso modo, qualquer tecnologia que aporte no sistema pecuário melhorando a eficiência de produção, minimiza  as emissões de gases. Um exemplo disso é se o animal estiver pastando um capim de qualidade, ele irá produzir menos gases, assim começa desde a produção do alimento, até na hora do animal consumir”, relata.

A Embrapa Gado de Corte, tem várias pesquisas sobre essas tecnologias que minimizam esses gases poluentes, e um destes estudos não se refere tanto à tecnologias pontuais, mas sim uma tecnologia mais voltada ao sistema como um todo, que são classificados como "sistemas que tem o componente florestal". Sendo tudo controlado e tendo uma qualidade melhor, e emitindo menos gases. Outro sistema que contribui muito para minimizar os gases poluentes, é o sequestro de carbono, que é a  absorção de grandes quantidades de gás carbônico presentes na atmosfera. A forma mais comum de sequestro de carbono é naturalmente realizada pelas florestas.

Giolo explica se existe um tipo de floresta que sequestra mais gás carbônico: “ A floresta que sequestra mais gás carbônico, é aquela que cresce mais rápido, por isso que nós usamos eucalipto nos estudos aqui na Embrapa Gado de Corte, apesar de não ser uma espécie nativa, ela cresce muito rápido. Lembrando que existem várias espécies de eucalipto, e que também observarmos as árvores nativas”, afirma.

O impacto da pecuária no efeito estufa é grande, mas existem formas para minimizar e  preservar o meio ambiente, por isso vale lembrar que quanto menos desmatar e cuidar da terra, menos gás será produzido, gerando  um equilíbrio no meio ambiente.

Por Isabela Delai

 riopardonews@gmail.com
 (67) 98454-6626
 facebook.com/RioPardoNews